Caracterização da conjuntivite alérgica em crianças

Estudos sobre conjuntivite alérgica com um grupo de doenças comuns na infância normalmente acompanhada de outras condições alérgicas, afeta a superfície ocular e está associada a reações de hipersensibilidade de tipo I.

Observaram que existem duas formas agudas:

A conjuntivite alérgica sazonal e a conjuntivite alérgica perene, e três crônicas: a ceratoconjuntivite primaveril, ceratoconjuntivite atópica e a conjuntivite papilar gigante.

Quanto aos sintomas, a inflamação da superfície ocular (concomitante com eosinofilia e neutrofilia) produz prurido, lacrimejamento, edema, vermelhidão da pálpebra e da conjuntiva e fotofobia durante a fase aguda e, ocasionalmente, na fase tardia. Além disso, como no caso de outras doenças alérgicas crônicas, pode haver remodelação tissular da superfície ocular.

Foi realizado um estudo observacional constituído por pacientes com diagnóstico presuntivo de conjuntivite alérgica,  aplicados os critérios de inclusão e exclusão, foi composta por 80 pacientes, foram analisadas as variáveis: idade, gênero, cor da pele, apresentação clínica e fatores de risco associados. Foi utilizada a estatística descritiva (frequências absolutas e porcentagem).

Os resultados mostraram um predomínio de crianças entre 8 e 13 anos (68,8%), seguidos por aqueles entre 3 e 7 (12,5%) e entre 14 e 18 anos (1,9%), homens (72 , 5%) e cor da pele branca (71,2%). O tipo clínico de conjuntivite alérgica mais frequente resultou a sazonal e perene (38,8%), seguido da aguda (31,3%), e o de menor apresentação, a dermatoconjuntivite de contato (5,0%). A exposição ao pó foi referida por 100% dos pacientes.

Concluiu-se que predominaram as crianças entre 8 e 13 anos, homens e cor da pele branca. O tipo clínico de conjuntivite alérgica mais frequente foi a sazonal e perene, e o fator de risco associado a exposição ao pó.

FONTE: (com adaptações): https://www.medcenter.com

Avalie esta página

O uso de ondas sonoras reduz os níveis de stress e dor aguda pós-cirúrgica

Devido avanços na medicina e as técnicas cirúrgicas, a cirurgia representa, sem dúvida, um evento para todos os envolvidos na mesma, em torno da qual existem preocupações sobre a morte, dependência física, não acordar da anestesia, dor, doença, recuperação, separação da família, situação econômica e laboral e hospitalização entre outros.

Os autores advertem que diante dessas questões se espera que surjam várias respostas de tipo emocional: ansiedade, stress, depressão que quando se manifestam de forma muito intensa, causam consequências mais profundas levando a que a recuperação pós-operatória seja mais lenta e complicada.

Considerando esses dados, resulta relevante explicar outro estudo publicado na Revista Mexicana de Anestesiología, cujo objetivo foi determinar a eficácia da terapia com consequências sonoras personalizadas em pacientes que foram submetidos a cirurgias programadas, em relação com stress, dor pós-operatória e permanência hospitalar. Tal grupo foi comparado com outro grupo de pacientes que foram submetidos a cirurgias programada semelhantes sem o uso de terapia de sequências sonoras.

160 pacientes participaram do estudo, todos maiores de 18 anos, os quais foram submetidos a cirurgias programadas (Cirurgia Geral, Traumatologia, Ginecologia, Urologia, Vascular e Neurológica); 80 pacientes receberam terapia de ondas sonoras e 80 pacientes não receberam.

Foram aplicadas pesquisas de níveis de stress e dor previa a cirurgia; no pós-cirúrgico imediato e 24 horas após a cirurgia.

Os pesquisadores encontraram uma maior incidência embora não significativa, tanto de dor como stress em pacientes que não receberam terapia sonora de 35%, em relação aos pacientes que receberam a terapia sonora.

Neste sentido, concluiu-se que os pacientes que receberam terapia sonora demostraram um nível menor de stress como de dor, bem como uma diminuição da permanência hospitalar.

 

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com

Avalie esta página

Intervenções lúdicas aumentam o conhecimento sobre hábitos saudáveis e fatores de risco cardiovasculares em crianças

Fundamento:
A obesidade infantil é um importante problema de saúde no mundo. Nesse contexto, há uma necessidade para o desenvolvimento e a avaliação de intervenções educativas inovadoras que objetivem a prevenção e a formação de hábitos saudáveis.

Objetivo:
Avaliar o impacto de workshops lúdicos sobre o conhecimento, autocuidado, e peso corporal de crianças.

Métodos:
Esse foi um estudo clínico randomizado, com 79 estudantes com idade entre 7 e 11 anos. Medidas antropométricas foram coletadas, e dois questionários (DAFA, Dia Típico de Atividades Físicas e de Alimentação e o CARDIOKIDS, um questionário de conhecimento sobre fatores de risco cardiovasculares).

Resultados:
Setenta e nove estudantes foram randomizados para o grupo intervenção (n = 40) ou para o grupo controle (n = 39). A idade média foi 10 ± 1,1 anos. Após oito semanas, o grupo intervenção mostrou uma melhora significativa no escore de conhecimento (p < 0,01). Houve um aumento nos escores de atividade física em ambos os grupos, mas sem diferença entre os grupos no final da intervenção (p=0,209). Observou-se uma redução no percentil do IMC no grupo intervenção, mas não houve diferença estatística entre os grupos após a intervenção.

Conclusão:
Intervenções lúdicas podem melhorar o conhecimento e níveis de atividade física em crianças e, quando combinadas com outras estratégias, podem ser benéficas na prevenção da obesidade e melhoria do autocuidado.

 

FONTE:(com adaptações): https://www.medcenter.com

Intervenções lúdicas aumentam o conhecimento sobre hábitos saudáveis e fatores de risco cardiovasculares em crianças
1 (20%) 1 vote