O uso de ondas sonoras reduz os níveis de stress e dor aguda pós-cirúrgica

Devido avanços na medicina e as técnicas cirúrgicas, a cirurgia representa, sem dúvida, um evento para todos os envolvidos na mesma, em torno da qual existem preocupações sobre a morte, dependência física, não acordar da anestesia, dor, doença, recuperação, separação da família, situação econômica e laboral e hospitalização entre outros.

Os autores advertem que diante dessas questões se espera que surjam várias respostas de tipo emocional: ansiedade, stress, depressão que quando se manifestam de forma muito intensa, causam consequências mais profundas levando a que a recuperação pós-operatória seja mais lenta e complicada.

Considerando esses dados, resulta relevante explicar outro estudo publicado na Revista Mexicana de Anestesiología, cujo objetivo foi determinar a eficácia da terapia com consequências sonoras personalizadas em pacientes que foram submetidos a cirurgias programadas, em relação com stress, dor pós-operatória e permanência hospitalar. Tal grupo foi comparado com outro grupo de pacientes que foram submetidos a cirurgias programada semelhantes sem o uso de terapia de sequências sonoras.

160 pacientes participaram do estudo, todos maiores de 18 anos, os quais foram submetidos a cirurgias programadas (Cirurgia Geral, Traumatologia, Ginecologia, Urologia, Vascular e Neurológica); 80 pacientes receberam terapia de ondas sonoras e 80 pacientes não receberam.

Foram aplicadas pesquisas de níveis de stress e dor previa a cirurgia; no pós-cirúrgico imediato e 24 horas após a cirurgia.

Os pesquisadores encontraram uma maior incidência embora não significativa, tanto de dor como stress em pacientes que não receberam terapia sonora de 35%, em relação aos pacientes que receberam a terapia sonora.

Neste sentido, concluiu-se que os pacientes que receberam terapia sonora demostraram um nível menor de stress como de dor, bem como uma diminuição da permanência hospitalar.

 

FONTE: (com alterações): https://www.medcenter.com